🔥 | Latest

dakar: shoulderblades: backstage at oumou sy, dakar fashion week, 2001 sample: 100 fashion designers - 010 curators
dakar: shoulderblades:
backstage at oumou sy, dakar fashion week, 2001
sample: 100 fashion designers - 010 curators

shoulderblades: backstage at oumou sy, dakar fashion week, 2001 sample: 100 fashion designers - 010 curators

dakar: afrikangyal: brownngyal: csmitty4u: tontonmichel: Was waiting to see some pics like this. CHECK!!! Where is this? Dakar, Senegal
dakar: afrikangyal:

brownngyal:


csmitty4u:

tontonmichel:

Was waiting to see some pics like this.

CHECK!!!


Where is this?


Dakar, Senegal

afrikangyal: brownngyal: csmitty4u: tontonmichel: Was waiting to see some pics like this. CHECK!!! Where is this? Dakar, Senegal

dakar: Via @carthrottlenews - Peugeot is eyeing a sensational return to prototype endurance racing – but only if the organisers agree to cut the costs of competing. - Fresh from buying Opel and Vauxhall, the French brand has told Autocar that the possibility of their return to the World Endurance Championship depends on three conditions: profitability, winning the Dakar Rally and an LMP1 cost cap of €200 million per year, and only the last obstacle remains. - The French firm has Le Mans pedigree, taking the overall win at La Sarthe in 2009 with its 908 HDi FAP diesel LMP1 machine. But financial troubles led to a shock withdrawal from the sport in early 2012. - Ultimately, Porsche joined Audi and Toyota in 2014 to create some of the best sports car racing we’ve seen in recent times before Audi’s sad departure last year; its diesel-fuelled motorsport programme a casualty of dieselgate. - With the drop to two major factory-backed LMP1 teams seen as a big problem by race organisers, it’s in everyone’s interests to get Peugeot back on board. Senior FIA and WEC figures are now understood to be looking at potential rules changes that could bring costs down without harming the levels of innovation that have made the WEC an increasingly popular sport. - Autocar quotes Peugeot CEO Jean-Philippe Imparato as saying: - “We have always said we will return if three conditions are met: firstly, we as a company are making money; secondly, we have won the Dakar Rally, and thirdly, the cost of competition cannot be over €200 million per year. - “The first two conditions are met; the third is not. We are studying a return, but the regulations must be easier on the budget.”
dakar: Via @carthrottlenews - Peugeot is eyeing a sensational return to prototype endurance racing – but only if the organisers agree to cut the costs of competing. - Fresh from buying Opel and Vauxhall, the French brand has told Autocar that the possibility of their return to the World Endurance Championship depends on three conditions: profitability, winning the Dakar Rally and an LMP1 cost cap of €200 million per year, and only the last obstacle remains. - The French firm has Le Mans pedigree, taking the overall win at La Sarthe in 2009 with its 908 HDi FAP diesel LMP1 machine. But financial troubles led to a shock withdrawal from the sport in early 2012. - Ultimately, Porsche joined Audi and Toyota in 2014 to create some of the best sports car racing we’ve seen in recent times before Audi’s sad departure last year; its diesel-fuelled motorsport programme a casualty of dieselgate. - With the drop to two major factory-backed LMP1 teams seen as a big problem by race organisers, it’s in everyone’s interests to get Peugeot back on board. Senior FIA and WEC figures are now understood to be looking at potential rules changes that could bring costs down without harming the levels of innovation that have made the WEC an increasingly popular sport. - Autocar quotes Peugeot CEO Jean-Philippe Imparato as saying: - “We have always said we will return if three conditions are met: firstly, we as a company are making money; secondly, we have won the Dakar Rally, and thirdly, the cost of competition cannot be over €200 million per year. - “The first two conditions are met; the third is not. We are studying a return, but the regulations must be easier on the budget.”

Via @carthrottlenews - Peugeot is eyeing a sensational return to prototype endurance racing – but only if the organisers agree to cut the...

dakar: Media Nisso? SO CUBA ATINGE OBJETIVOS GLOBAIS DE EDUCACAO NA AMERICA LATINA, DIZ UNESCO ACREDITANISS00FICIAL OACREDITANISSO @AcreditaNisso? Cuba é o único país da AméricaLatina e Caribe a alcançar todos os objetivos mensuráveis de educação. É o que aponta o Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos 2015, da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). O documento se baseia no marco de ação proposto, em 2000, no Fórum Mundial de Educação em Dakar. Lá, governos de 164 países se comprometeram com objetivos como cuidados na primeira infância, educação primária universal, alfabetização de adultos e paridade e igualdade de gênero. O desempenho dessas nações foi monitorado quase anualmente. Apenas metade dos países do mundo e da América Latina alcançou o objetivo de acesso universal à educação primária. Equador, Chile, Peru e México foram os únicos da região a passarem a taxa de 80% das crianças matriculadas na educação pré-primária. Para a Unesco, o Brasil teve progressos significativos na ampliação do acesso de pessoas pobres à educação por causa da política de transferência de renda dos últimos anos. Foi notado, ainda, uma redução substancial na diferença da qualidade da educação nas áreas urbanas e rurais no país, e também na Argentina, na Costa Rica e no Uruguai. O documento estipula ainda objetivos até 2030. Entre eles, estão a universalização da educação pré-primária, primária e do primeiro nível da educação secundária e expansão da aprendizagem de adultos. Fonte: UOL . SIGAM-ME OS BONS ➡️ @Nandinhatw (ADM)
dakar: Media
 Nisso?
 SO CUBA ATINGE OBJETIVOS
 GLOBAIS DE EDUCACAO NA
 AMERICA LATINA, DIZ UNESCO
 ACREDITANISS00FICIAL
 OACREDITANISSO
@AcreditaNisso? Cuba é o único país da AméricaLatina e Caribe a alcançar todos os objetivos mensuráveis de educação. É o que aponta o Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos 2015, da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). O documento se baseia no marco de ação proposto, em 2000, no Fórum Mundial de Educação em Dakar. Lá, governos de 164 países se comprometeram com objetivos como cuidados na primeira infância, educação primária universal, alfabetização de adultos e paridade e igualdade de gênero. O desempenho dessas nações foi monitorado quase anualmente. Apenas metade dos países do mundo e da América Latina alcançou o objetivo de acesso universal à educação primária. Equador, Chile, Peru e México foram os únicos da região a passarem a taxa de 80% das crianças matriculadas na educação pré-primária. Para a Unesco, o Brasil teve progressos significativos na ampliação do acesso de pessoas pobres à educação por causa da política de transferência de renda dos últimos anos. Foi notado, ainda, uma redução substancial na diferença da qualidade da educação nas áreas urbanas e rurais no país, e também na Argentina, na Costa Rica e no Uruguai. O documento estipula ainda objetivos até 2030. Entre eles, estão a universalização da educação pré-primária, primária e do primeiro nível da educação secundária e expansão da aprendizagem de adultos. Fonte: UOL . SIGAM-ME OS BONS ➡️ @Nandinhatw (ADM)

@AcreditaNisso? Cuba é o único país da AméricaLatina e Caribe a alcançar todos os objetivos mensuráveis de educação. É o que aponta o Rel...